Comida mineira

Receitas de comida mineira pra quem come quieto.

O feijão secreto da vovó (com feijão-manteiga)

11 setembro, 2014 Acompanhamentos, Comida mineira Tags:, , 12 Comentários

O maior tesão de comer na casa da minha avó sempre foi a qualidade do feijão dela. Sabe quando o negócio é simples, delicioso e impossível de imitar? Pois é. Eu sei que ela coloca muito mais amor do que eu, mas, de tanto espionar e insistir, acabei conseguindo fazer algo parecido com o feijão-manteiga.

Língua ao molho de vinho

20 agosto, 2012 Carnes, Comida mineira Tags:, , , , 11 Comentários

língua ao molho de vinho

A 100ª receita deste depravado blog não podia deixar de ser, no mínimo, curiosa: embora façamos coisas incríveis com as nossas línguas e de nossos parceiros humanos, a língua bovina ainda sofre certo preconceito quando desponta no menu. Aprendi essa receita com o meu querido amigo Fanta, que me mostrou o caminho do prazer à mesa usando a língua como prato principal. E não é que ficou… suculento?

1 kg de língua bovina (uma peça)
2 tabletes de caldo de carne
1 xícara de vinho tinto seco
1 cebola média cortada em pétalas (verticalmente)
2 folhas de louro
2 colheres de sopa de azeite
1 colher de sopa de manteiga
3 colheres de sopa de farinha de trigo
200g de champignon
Sal e pimenta do reino

Dá pra 6 pessoas 

Ferva a língua durante 20 minutos e depois descasque-a, ainda quente, removendo toda a parte rígida que envolve a carne. Essa é a parte que você deve esconder dos convidados “frescos”, porque não é a coisa mais agradável de se ver. Corte-a em fatias de 3cm de espessura. Aqueça um pouco de manteiga com azeite numa frigideira e doure todas as partes com carinho. A seguir, doure a cebola ali mesmo. Reserve.

Dissolva os cubos de caldo de carne no vinho e leve à panela de pressão, acrescentando o louro, a língua já dourada, a cebola e a farinha de trigo (que serve para dar consistência ao molho). Acrescente também 1 litro de água quente, para garantir que o molho não se evapore todo. Deixe cozinhar na pressão por 30 minutos.

Após retirar o cozido da pressão, acerte o sal e pimenta do reino e veja se o molho está levemente espesso, e a língua tenra e macia. Se não tiver chegado a esse ponto, você pode voltar para a pressão novamente, ou mesmo cozinhar normalmente por mais alguns minutos até alcançar a consistência correta. Resgate a frigideira usada para fritar a língua e doure ali os champignons já fatiados. Acrescente-os à língua, deixe-os pegar gosto por 5 minutos e está pronto! Sirva acompanhado de um generoso purê de batatas, arroz branco e, quem sabe, repolho roxo refogado.

Se houver resistência ao uso da língua com este fim, sugiro vendar seus convidados. Pode ser excitante.

Purê de Baroa (Mandioquinha)

24 maio, 2011 Acompanhamentos, Comida mineira Tags:, , , , , 6 Comentários

Comi junto com Galinha com Sálvia e Laranja e Salada Grega (em breve)

Cenoura amarela, mandioquinha, chame como quiser este tubérculo pequeno porém saboroso. A batata baroa é um eterno clássico da culinária mineira, sendo usada tanto em saladas quanto quente. É uma pena que muitos a cozinhem demais e piquem em rodelas com um punhado de salsinha, quando você pode fazer coisas maravilhosas como este purê. E olha que é muito fácil!

1kg de batata baroa
300ml de creme de leite fresco
2 colheres sopa de manteiga
Sal e pimenta-do-reino

dá para 6 pessoas

Cozinhe a batata baroa com casca e tudo em água abundante por cerca de 40 minutos, até que, quando você espetar um garfo, ela escorregue de volta para a panela com toda a graciosidade. Retire-a da fervura e descasque ainda quente, de preferência debaixo de água corrente fria, se você não estiver interessado em se queimar. Amasse com um garfo.

Aqueça, até na mesma panela onde estava cozinhando a baroa, o creme de leite fresco e dissolva nele a manteiga. Incorpore a baroa devidamente amassada com um garfo (eu gosto de amassar mais ou menos para ficarem uns grumos ótimos), misture tudo até incorporar, e então acerte sal e pimenta do reino à gosto, e o meu gosto é muito sal e muita pimenta.

Decorei com uma folha de salsão, mas pode ser salsinha também. O segundo nível poderia incluir incorporar um pouco de parmesão fresco ou até noz moscada. Nesse caso, acho que a baroa por si só já é rica o suficiente, e a minha não precisou de mais nada para ser feliz.

Switch to desktop version