Novidades

Novidades para evitar que a hora de comer caia na rotina.

Tan Tan, o melhor Noodle Bar que eu nunca fui

26 maio, 2018 Comi fora, Novidades Tags:, , , 0 Comentários

Naquele ambiente cool do bairro de Pinheiros, em São Paulo, fica uma biboquinha que rapidamente se tornou queridinha dos food bloggers, chamada Tan Tan Noodle Bar. Pelo que pude ver de fora, é um lugar simpático, transado e arrumadinho, que toca um rock ‘n roll e as pessoas falam alto descompromissadamente.

Cheguei no pior horário que se pode imaginar: 20h de sexta-feira. Como todo bom lugar em São Paulo, havia uma fila de espera com previsão de mais de 1h30. Mas eu estava determinado a comer aqueles noodles, e decidi não esmorecer. Daqui não arredo o pé!, bradei. Só que paulista não sabe o que significa arredar…

Apesar do aplicativo que gerencia seu lugar na fila de espera (ótima ideia por sinal), ficamos em pé ali por perto mesmo, e aí vem a parte boa: tem aquela janelinha para fora que você pede, basicamente, o que der conta de beber e comer em pé. A não ser, claro que arrume um lugar para sentar entre os disputadíssimos banquinhos, caixotes, meio-fios, balcão do manobrista, fachada das lojas vizinhas e o que mais sua criatividade permitir. Afinal, 1h40 de espera é ver um jogo de futebol inteiro em pé – só que sem ninguém jogando, a não ser aquelas gangues esquisitas de adolescentes que passeavam pela rua Fradique Coutinho naquela noite.

Pedimos uma cerveja. Meia hora depois, vagou o balcão do manobrista, e aí tomamos coragem: daqui já dá pra pedir um petisco!

Tebá – asinha de frango crocante, agridoce e apimentada.

Uma publicação compartilhada por Calebe Bezerra (@eujacomi)

E que petisco! Essa asinha é simplesmente deliciosa, apimentada, temperada por dentro e crocante por fora. E deixa a gente todo lambuzado.

Já que eu tinha chegado a tal ponto, fomos direto para o carro-chefe da casa, considerado por muitos um dos melhores sanduíches do Brasil: o Katsu-sando. E realmente, uma coisinha delicada deliciosa que daria pra comer uns 20, não fosse o preço (R$ 26).

Katsu Sando – sanduíche de barriga de porco empanada no pão de miga.

Uma publicação compartilhada por Calebe Bezerra (@eujacomi)

Próximo passo? Ah, já estamos aqui na quinta ou sexta cerveja, já conseguimos fazer amizade com aquela turma sentada no caixote, já pedimos praquela outra turma na única mesinha alta da calçada pra deixar a gente sentar quando eles saírem, tá tudo dominado aqui na rua! Bora pedir os pratos principais!

 

Ambos deliciosos, mas embora o Noodles fosse a pedida da noite, eu gostei mais do caldo do Happosai. Uma coisa curiosa que eu queria destacar é o ovo curado nos noodles, uma tradição asiática bem interessante. Ele é meio que cozido e meio que doce, e achei uma delícia exótica.

Os caldos eram levemente apimentados e uma verdadeira explosão de sabor. Não é à toa que todo mundo bebe o caldo depois que termina de comer os “sólidos”. Segundo fontes da casa, ele leva horas, senão dias cozinhando para chegar àquela textura e sabor ricos, complexos.

E foi quando eu já estava bebendo o caldinho da cumbuca que o meu celular vibrou, e veio a Hostess: Sr., sua mesa está pronta! Eu disse Querida, pode passar minha vez que deve ter gente precisando mais que eu. Traz só a sobremesa e fecha a conta pra nóis :-)

 

Tan Tan Noodle Bar
Rua Fradique Coutinho, 153 – Pinheiros – São Paulo – SP
http://www.tantannb.com.br

Os vencedores do prêmio VejaBH 2017 e o que eu acho deles

12 dezembro, 2017 Novidades Tags:, , , , 3 Comentários

Depois do bafafá do Prêmio Encontro Gastrô 2017, chegou a hora de comentar sobre os resultados do prêmio da VejaBH – a Vejinha do belô, aquela revista que estava extinta há 2 anos – dizem que agora voltou – mas cujo prêmio sempre foi o mais tradicional da cidade.

Primeiro, observo que o júri foi selecionado de uma forma bastante criteriosa, envolvendo alguns nomes queridos e notáveis conoisseurs como Fabiana Arreguy, Lorena Martins, Aline Gonçalves, Rafael Rocha, Nenel Neto (Baixa Gastronomia) e Léa Araújo (Degustatividade), além de outros amigos, afinal, BH é um ovo, né? São pessoas que notoriamente saem quase todos os dias para comer, e com certeza estão bem mais atualizadas do que eu que, por conta do momento de papai fresco, saio pouco.

Isso se nota nos resultados dos vencedores, que são bem mais consistentes do que outros prêmios deste ano. Não há nenhum absurdo. Alguns bons tradicionais mantiveram o troféu, outras novidades pintaram. Mas claro, opinião é igual bunda, e cada um tem a sua. Então, aqui vai a minha ;-)

 

COMIDINHAS

Café – Mocca Coffee & Meals – É um café delicioso, que está mais focado em bebidas especiais do que grãos diferenciados. Entendi que essa categoria engloba o café e tudo o que vem em volta dele, daí o merecimento. Tem quitutes maravilhosos lá, também.

Rocambole de ovomaltine, bolinho de churros assado e o dono da casa: o Mocca Latte, um café espresso com calda de chocolate, leite e espuma de leite do @moccacoffeebrasil
Rocambole de ovomaltine, bolinho de churros assado e o dono da casa: o Mocca Latte, um café espresso com calda de chocolate, leite e espuma de leite do @moccacoffeebrasil

Doceria – Doces de Portugal – Tradicional que não tem erro. Mas eu diria que Mocca e Doces de Portugal se confundem nessas duas categorias, como vencedores.

Hambúrguer – Duke’n’Duke – Sempre foi um bom burger, mas pra mim, nunca foi o melhor – ainda não tem o pão ideal. Esse é um segmento que cresceu absurdamente nos últimos anos em BH, e muita gente boa surgiu pra desbancar clássicos como o Eddie (que ficou com o 2º lugar). Comi recentemente e curti o Bue Burger, o The Taste e o Applebee’s.

Padaria – Casa Bonomi – Também é tiro certo, fazem pão com arte. Em 2º ficou a Cumpanio, que é minha favorita pessoal. Vale destacar também a jovem Madre Pães, que não figurou.

Pão de Queijo – A Pão de Queijaria – A escolha óbvia, também. Ninguém trata o pão de queijo tão bem quanto esses caras.

Sorvete – Bacio di Latte – Achei que essa vitória foi um pouco síndrome de patinho feio. Temos Lullo, Mi Garba, Fiorella e tantas outras ótimas sorveterias. O sorvete da Bacio é ok, mas não é pra isso tudo. Talvez a marca tenha pesado mais que o gelato.

 

BARES

Boteco – Bitaca da Leste – Agradável surpresa ver essa simpatia pequetita por aqui. Já aviso que não cabe esse tanto de gente lá :-)

Carta de Drinques – Dub – Fala-se muito bem deles, mas #eununcabebi . Menção pro Guaja, que ganhou em terceiro e eu curto bem.

Cervejaria – Juramento 202 – Talvez pelo perfil do júri, ganhou uma cervejaria “alternas”. Embora Backer e Wals tenham pubs espetaculares, acho legal ganhar uma cervejaria “multimarcas” e fora da zona sul.

Cozinha de Bar – Mercearia 130 – Vitória merecida, é uma petiscada mais gostosa que a outra. Vamos ver como se sai com a mudança na frente da cozinha. Eu não deixo de mencionar a Borracharia, minha favorita pessoal.

Happy Hour – Cabernet Butiquim – É aquele lugar ótimo pra tomar um vinho acessível e comer um petisco bacana.

Delícia de tábua de frios do querido @cabernetbutiquim
Delícia de tábua de frios do querido @cabernetbutiquim

Revelação – Juramento 202 – Merecido, pelos mesmos motivos acima. Conseguiu se destacar no meio dos gigantes.

 

RESTAURANTES

Chef do Ano – Leonardo Paixão, do Glouton – Unanimidade entre os foodies. Eu falo: pobre do júri Michelin que ainda não conheceu o Leo!

O Melhor da Cidade – Glouton – Finalmente, o melhor chef e a melhor casa ganham no mesmo prêmio. Não vejo como ser diferente.

Brasileiro/Regional – Xapuri – O Flavinho é hors concours quando a gente fala de comida mineira de qualidade. E é pra turista comer também!

Carne – Fogo de Chão – Vocês acreditam que #eununcacomi ? E olha que eu passo na porta todo dia e fico olhando para aquela televisão de cachorro, com os costelões. Salivando.

Francês – Taste-Vin – Vitória da tradição. Em verdade acho que ninguém resolveu se meter a fazer comida francesa pra bater com o Taste Vin, que já tem uma clientela fiel há muitos anos.

Italiano – Vecchio Sogno – Vitória da tradição mais uma vez. Minha menção honrosa vai pro Est Est Est, por conta da firmeza do Chef, com a qual eu concordo apesar de ser bem polêmica, da Bisteca Fiorentina. Quer rir um bocado? leia aqui sobre a polêmica. E volte pra comentar ;-)

Oriental – Udon – Agora em duas localizações, é o japa que puxa um bocado de sofisticação e não fica no sushi básico. Há os puristas que não curtem. Eu adoro.

Thai especial - salmão, shimeji e teriyaki do @udonbh
Thai especial – salmão, shimeji e teriyaki do @udonbh

Pizzaria – Domenico Pizzeria Trattoria – Uma ótima pizza, sem dúvidas. Aliás, eu já tinha feito um The Best Of Pizzas de BH, e lá estavam eles.

Variado/Contemporâneo – Glouton – Justo, pelos motivos acima. Menção minha para o Trindade, que ficou em 2º lugar.

Revelação – Osso – Mind the Bones – É uma cozinha muito interessante, numa localização excelente mas onde ninguém conseguiu se firmar (mistério). Num ano de crise, abriram poucos lugares interessantes como este em BH.

 


Fica a sugestão de se ter um par de categorias a mais: cozinha saudável/leve, e salgados. Afinal, somos o país da coxinha!

Parabéns aos vencedores e ao juri por fazer um retrato tão fiel da cena gastronômica de BH, em especial para o querido Rafael Rocha – gente talentosa sempre tem espaço!

Saiba como funcionou a votação e veja a matéria original

Um pequeno roteiro gastronômico em Lima, Peru

14 maio, 2017 Novidades 0 Comentários

Lima se tornou, a olhos vistos, a capital mundial da gastronomia. Uma combinação de fatores culturais, econômicos e até políticos fez da cidade destino obrigatório para comensais que querem viver experiências gastronômicas originais e elaboradas.

Combinações improváveis que geram resultados indescritíveis. Assim é a gastronomia de uma cidade que respira respeito às tradições, sem ter medo de dar largos passos em direção às fronteiras do paladar. Afinal, quantas outras cidades combinam em tão pouca distância biomas tão diferentes quanto o Pacífico, os Andes – e suas diversas altitudes, como as chamam por lá – e uma beirada da Amazônia?

Colocados na balança, porém, os excelentes ingredientes não diminuem o talento dos chefs peruanos. São diversos grandes nomes com experiências internacionais, que retornam a seu país com uma gorda bagagem de conhecimento e, especialmente, técnica. Essa sede do saber e um mercado ávido por novidades levou até a renomada escola francesa Le Cordon Bleu a abrir uma filial em Lima.

Traçar o roteiro de restaurantes foi uma tarefa árdua. Há pelo menos 50 casas de alta gastronomia – sendo o Astrid & Gastón e o Central os dois estabelecimentos considerados “parada obrigatória” por sua premiação e histórico. O primeiro, do renomado chef Gastón Acurio, chegou a ser considerado o segundo melhor restaurante do mundo. Mas a fama não vem solteira: as reservas estavam tomadas para os próximos dois meses. E claro, os preços, de cerca de R$ 450 por pessoa para o menu degustação, não são para qualquer orçamento.

Embora eu não tenha visitado, também merecem menções pelas ótimas recomendações que tive: La Rosa Nautica, Pescados Capitales, Chez Wong, El Mercado e Malabar. Definir um roteiro, portanto, foi um exercício de desapego. Mas sem mais delongas, vamos ao que vi, vivi e comi:

A primeira parada foi no Amoramar, um moderno e simpático pátio no transado bairro de Barranco. Lá, já de cara, um maravilhoso Ceviche Nikkei, com atum, lula, polvo, abacate, leche de tigre asiático e milho peruano (choclo). O melhor ceviche que comemos em toda a viagem!

Cebiche Nikkei – Atum, lula, polvo, abacate e leche de tigre asiático ao ají amarelo. S/. 54

Uma publicação compartilhada por Calebe Bezerra (@eujacomi) em

Prato principal: Pasta Negra – linguini em tinta de lula, mariscos e salsa “a lo macho”, o molho especial da casa à base de ají amarelo. S/. 59.

Uma publicação compartilhada por Calebe Bezerra (@eujacomi) em

Já na primeira noite, em uma comemoração especial, visitei o Maido, que recentemente escalou posições em vários rankings globais e se consolidou entre os 50 melhores restaurantes do mundo.

O Chef Mistuharu Tsumura tem esse nome e é nascido no Peru. E o que se poderia imaginar? Uma cozinha fusion extremamente arrojada, que combina ingredientes e técnicas das escolas peruana e japonesa em uma mistura em que não se distingue bem onde termina uma e começa a outra. É como Tsumura escreve em seu cardápio: “A vida é movimento. Nada é estático, ou absoluto. Nada é.” A esse tipo de fusão, chamam de cozinha Nikkei.

Seu menu degustação de 11 pratos sai em torno de R$ 300, e apresenta comidinhas no mínimo incomuns, como o choripan (cachorro-quente) de frutos do mar com pão feito no vapor, os sushis de foie gras e de montadito de filé. Alguns pratos eram tão complexos que, ao servi-los, o garçom nos dava instruções detalhadas de como comer: “enrole o peixe com o hashi sem deixar cair o recheio, molhe aqui e coma em uma bocada só”. Faz parte do show.

No dia seguinte, tive a sorte de conhecer a recém-inaugurada segunda unidade do Ámaz, do renomado chef Pedro Miguel Schiaffino. Se a primeira, já consagrada em San Isidro, estava totalmente lotada, a segunda, no novíssimo espaço multiuso Patio Panorama, não decepcionou, apresentando pratos baseados em ingredientes amazônicos. Do caracol de rio ao buriti(aguaje), a excentricidade de cada sabor em uma combinação rica e deliciosa é para deixar qualquer um com vontade de se meter no meio do mato só pra ver de perto de onde sai tanta coisa boa. O destaque vai para um canapé também pouco convencional: um pirão de pirarucu amanteigado e tomate-de-índio grelhado, servidos sobre uma pururuca de pele de pirarucu. O prato executivo também é um sucesso: arroz com cúrcuma e castanhas, banana da terra recheada com queijo andino fundido, fettuccine de palmito, salsa com manga e costela de tambaqui assada. Em algo lembra o Brasil, mas ao mesmo tempo nos faz lembrar que a Amazônia é bem maior do que o norte do nosso País.

Chicharrón (pururuca) de pele de peixe Pirarucu, peixe amanteigado e cocona (tomate-de-indio) grelhada.

Uma publicação compartilhada por Calebe Bezerra (@eujacomi) em

Cebiche clássico Amaz com banana, ají charapita e limão rugoso no @amazrestaurante

Uma publicação compartilhada por Calebe Bezerra (@eujacomi) em

Cebiche clássico Amaz com banana, ají charapita e limão rugoso no @amazrestaurante

Uma publicação compartilhada por Calebe Bezerra (@eujacomi) em

No Mayta, uma nova cozinha fusion, liderada pelo chef Jayme Pesaque e servida pelo simpático maitre italiano Vittorio Davià. Aqui, vale um destaque alcoólico: o Lima Mule, releitura do clássico drink Moscow Mule, porém feito com pisco e toranja.

Pesaque também trouxe algumas releituras de pratos típicos peruanos, como o Cuy (porquinho-da-índia) à pururuca com purê de milho, o ceviche Nikkei de atum com atemoia e as empanadas com massa de pão chinês. A sobremesa foi um capítulo à parte: pipoca doce de milho peruano sobre um pudim de pão com calda de baunilha. Inusitado e delicioso.

Cuy tostado – porquinho da Índia tostado com humita – purê de milho peruano (choclo). Ao fundo, pisco e vermouth na madeira.

Uma publicação compartilhada por Calebe Bezerra (@eujacomi) em

Tiraditos de atum com leche de tigre de chirimoya

Uma publicação compartilhada por Calebe Bezerra (@eujacomi) em

Começando os trabalhos com Lima Mule, o Moscow Mule peruano, com pisco e toranja.

Uma publicação compartilhada por Calebe Bezerra (@eujacomi) em

No terceiro dia, a Huaca Pucclana acaba se tornando uma parada obrigatória em Lima. Não pelo restaurante, mas pelas ruínas milenares preservadas em uma das áreas mais nobres da cidade. Não custa lembrar que Lima é uma cidade de 500 anos de história, mas que também preserva tudo o que veio antes com muito orgulho. E daí, já que você está lá, comer no ótimo restaurante de mesmo nome não faz mal.

A Huaca tem um ambiente clássico e requintado, com um enorme bar de madeira, sofás robustos e a vista para as ruínas de qualquer mesa. Os pratos são da culinária tradicional peruana, com destaque para o Lomo Saltado – tiras de filé mignon salteadas com legumes – um dos clássicos do país. Mas também rolam algumas surpresinhas, como o polvo grelhado sobre purê de grão-de-bico filé de peixe em crosta de quinoa vermelha.

Polvo na brasa marinado sobre purê de grão de bico e carne seca crocante.

Uma publicação compartilhada por Calebe Bezerra (@eujacomi) em

Lomo saltado com batatas fritas – um dos pratos mais tradicionais da culinária peruana. Um picado de filé mignon salteado com legumes.

Uma publicação compartilhada por Calebe Bezerra (@eujacomi) em

 

Claro, depois de três dias fazendo refeições enormes, você quer procurar algo mais leve pra saborear – ou como dizemos em mineirês, petiscar. E para isso, estivemos no El Salar de Maras, do chef Rafael Piqueras. Situado em um luxuoso hotel do centro financeiro da cidade, o bairro de San Isidro, a casa toca música eletrônica estilo longe, tem uma arquitetura despojada e uma carta de drinks, pasmem, inexistente. Sim! O cliente chega, conversa com o bartender sobre seu gosto, e ele vai preparando drinks deliciosos e brincando com o paladar, harmonizando com os petiscos quando é o caso. E como foi o nosso, embora eu não seja capaz de descrever com precisão cada um dos diversos drinks, posso bem observar sobre a deliciosa burrata com lascas de grana padano e carpaccio, sem dúvida uma das melhores que já comi. A torta de cereais com pasta de amendoim, chocolate com mel e banana também foi para terminar a noite de alma leve.

Abrindo o apetite com carpaccio de carne com burrata ao pesto, em uma apresentação bem diferente!

Uma publicação compartilhada por Calebe Bezerra (@eujacomi) em

Com tantos ângulos possíveis, é complicado ter um retrato fiel da gastronomia em Lima. Eu diria que roteiro de viagem nenhum é capaz de cobrir toda aquela cena gastronômica. Você volta de lá com um gosto de não ter esgotado suas possibilidades, sabendo também que, na sua próxima visita, já haverá um novo chef renomado e algumas novas casas para conhecer. Assim, o mais gostoso é combinar alguns lugares mais tradicionais com outros mais jovens, a fim de se experimentar um pedacinho do antigo e do novo. E misturar história e novidade, isso sim, reflete o que é comer alguns dias em Lima.

 

Além da comida

• Lima é uma cidade enorme, com 10 milhões de habitantes. Por isso, planeje bem seus trajetos e calcule o tempo de deslocamento, já que o trânsito é bastante caótico.

• Os bairros de Miraflores, San Isidro e Barranco concentram a maioria dos bons bares e restaurantes, além de estarem próximos de diversos pontos de interesse na cidade.

• Ainda assim, vale uma turistada pelo centro para ver os belos palácios e praças desta cidade de quase quinhentos anos de história.

• A principal atração turística da cidade é o Circuito das Águas, um parque com 10 fontes que combinam luz e movimento de potentes chafarizes. Há shows diariamente às 19h. Paga-se ingresso (cerca de R$ 8).

• Aplicativos funcionam bem melhor que táxi para a locomoção. Vale a pena comprar um chip de dados para ter essa opção. Já o transporte coletivo público de Lima é precário e desanimador.

• O Nuevo Sol (S/.) está com uma cotação parecida com o Real Brasileiro, e o poder de compra das moedas é bem parecido também. Não espere pechinchas. Uma corrida de táxi não sai por menos de S/. 8, e uma refeição completa custa a partir de S/. 25, podendo chegar a S/. 600 se o seu orçamento estiver maior que seu apetite.

 

Como se põe a mesa em Lima

• A gorjeta é opcional, e por vezes já vem incluída no valor do serviço.

• Há que se beber pelo menos um Pisco Sour, drink à base de Pisco, um destilado típico local, de elevado teor alcoólico, à base de uvas. Aliás, drinks caem melhor que vinhos na culinária peruana.

• A maioria dos bons restaurantes lota, então é necessário fazer reservas. Alguns requerem uma antecedência que chega a meses, e isso é normal.

• Muitos estabelecimentos possuem cardápio em inglês, mas em nossas experiências, as traduções eram muito imprecisas. Prefira o original e vá de portunhol + Google Translator.

Switch to desktop version