Eton Mess (Merengue)

4 agosto, 2009 Sobremesas Tags:, , , , , , 2 Comentários

Inspirado em receita do livro Cook with Jamie

Inverno é época de morango, e eu particularmente sou um fã incondicional dessa fruta. Eu já tinha experimentado outras maneiras de fazer merengue de morango, mas essa aqui, quando deu certo, vou te falar que não rende nada. Porque meia hora depois de comer, você vai ficar pensando naquela tigela com o que sobrou na geladeira… e vai lá comer de novo.

500g/2 caixinhas de morangos, lavados e picados
500ml de creme de leite fresco

200g de suspiros
1 colher de chá de essência de baunilha

1 colher de chá de vinagre balsâmico

2 colheres sopa de açúcar de confeiteiro

rende no máximo uma hora

Separe 1/4 dos morangos e coloque num pilão. Amasse-os bem com o pilão (poderia ser com um garfo), misture com uma colher de chá de vinagre balsâmico (atenção: colher de chá é aquela menor!) e uma colher de sopa do açúcar. Coloque na geladeira. Os outros 3/4 dos morangos, apenas deixe-os picados e preparados para o gran finale. Picar os morangos “de comprido” dá todo um charme, não é? Pois é.

Os suspiros eu prefiro comprar prontos. Prefira os de padaria, fresquinhos, do que aqueles industrializados escuros feios. Quebre os suspiros em pedaços menores que os morangos e reserve.

Bata o creme de leite fresco numa batedeira, adicionando aos poucos a outra colher de açúcar, durante uns 4 minutos, até começar o ponto de chantilly. Vá adicionando junto a colherinha de essência de baunilha. É pra colocar bem pouca baunilha mesmo, senão escurece. O creme tem que ficar macio, mas consistente. Leve à geladeira por mais ou menos uma hora.

Chegando a hora de servir, misture delicadamente o creme de leite batido com as frutas esmagadas, e depois junte o suspiro e metade do morango picado. Misture gentilmente, e depois, use os outros morangos para enfeitar. É importante juntar tudo bem em cima da hora de servir, para que as consistências de cada ingrediente sejam preservadas. E também para que você não queira comer antes da hora.

Risoto de abóbora com farofa de pão

14 julho, 2009 Acompanhamentos Tags:, , , , , , 1 Comentário

Se você é virgem no preparo de risotos, sugiro ler esta outra receita antes, que é mais detalhada. A vontade de comer risoto de abóbora veio do blog da Flavinha Massara, o Cozinha Fácil, cheio de coisas que eu recomendo comer. O que eu fiz foi incorporar a “farofa” de pão com sementes de abóbóra, que só chamo de farofa para não chamar de jacuba.

1 cebola bem picada
1 talo de salsão, picado
2 dentes de alho, picados
200g de arroz arbóreo ou carnaroli

1 tablete de caldo de legumes

100ml de vermouth ou vinho branco
50g de parmesão ralado fresco
1/4 de abóbora moranga sem casca cortada em cubos, e separe as sementes
1 pão de sal velho ou dormido
1 colher de sopa de manteiga
4 colheres de azeite extra-virgem

Sal e pimenta do reino

rende 4 porções

Coloque para ferver 1 litro de água, com o cubo de caldo de legumes. Mantenha essa água no fogo brando, pois você vai precisar dela quente. Quando for cortar a abóbora, separe as sementes, lave-as bem e deixe secar ao sol, se puder.

Aqueça o azeite na panela, e frite a cebola até que fique transparente. Adicione o salsão, doure mais um pouco e em seguida adicione o alho. Adicione o arroz e vá mexendo, até que ele frite um bocado. Adicione mais azeite, se necessário.

Adicione o vermouth. Deixe secar, mexendo sempre, e a partir de agora cumpra o ritual do risoto: cubra o arroz com água da fervura, mexendo sempre para não grudar. É a hora de acrescentar a abóbora em cubos. Quando começar a secar, jogue mais água da fervura. E vai assim, até o arroz ficar cozido, mas ainda bem firme. Ajuste o sal.

Desligue o fogo. Coloque a manteiga, e mexa bem, até que ela derreta. Depois, o parmesão ralado, e mexa bem de novo. Dependendo da panela, fica legal jogar parmesão por cima no final, para dar uma crostinha de queijo. Deixe descansar por uns 5 minutos antes de servir.

Enquanto o risoto descansa, faça a farofa de pão. Corte o pão em cubos pequenos, com cuidado para não amassá-lo muito e perder o volume. Aqueça uma frigideira com um pouco de azeite, e acrescente primeiro as sementes de abóbora, já lavadas e secas. Deixe-as fritar bastante, a idéia é que fiquem crocantes mesmo. Jogue uma pitada de sal, e acrescente os pedaços de pão. Um pouco mais de azeite será necessário para fritar o pão, e com muito cuidado, pois queima fácil.

Sirva o risoto com a farofa de pão e sementes de abóbora por cima. A idéia é que elas dêem uma salgadinha, que vai equilibrar o sabor adocicado da abóbora. Manda ver.

Mousse de chocolate e morango

9 julho, 2009 Sobremesas Tags:, , , , 5 Comentários

Inspirado em receita do programa Menu Confiança, no GNT

mousse de chocolate e morango

Segundo o Claude, essa é para o Dia dos Namorrads. Mousse de chocolate e morango é algo fácil de fazer, e eu adoro coisas que ficam numa porção exata, tipo, um potinho que é todinho para você. É tão… pessoal…

1 barra (160g) de chocolate meio-amargo
4 claras de ovo
2 gemas de ovo
4 colheres sopa de açúcar refinado
500g de morangos
+- 1/2 xícara de açúcar cristal (dependendo da sua doçura)

Pique metade dos morangos e reserve. A outra metade, bata no liquidificador, misture o açúcar cristal, e coloque para ferver. Deixe ferver um pouco, e depois desligue o fogo. Deixe esfriar.

Derreta o chocolate em banho-maria (isso significa, aqueça água num recipiente largo, com outro recipiente de vidro ou plástico dentro, com o chocolate dentro deste último). Enquanto isso, bata as claras numa batedeira. Quando elas começarem a crescer, vá adicionando o açúcar refinado devagar, colher por colher. Você vai saber que chegou no ponto quando ela estiver macia e consistente, ou seja, você pode virar a vasilha de cabeça para baixo e nada vai cair. Faça isso em cima da cabeça da sua(seu) namorada(o), é o melhor teste.

Derretido o chocolate, misture as 2 gemas (se alguém puder explicar porquê, fico feliz). Misture metade das claras em neve e mexa vigorosamente. Agora, misture a outra metade, mas com a delicadeza de uma virgem cega dinamarquesa, porque é o aerado da clara que vai dar o efeito mousse no negócio. Distribua nas vasilhas mais bonitas que você tiver, e coloque na geladeira por duas horas.

Mas antes disso, passada uma hora, a calda já esfriou. Junte os morangos picados a ela, e despeje por cima da mousse, que já deve estar rígida o suficiente. Agora é deixar ela descansar na geladeira um pouco, enquanto você serve aquele jantar à luz de velas… e depois… sobrremêsse.

Spaguetti à Caprese

26 junho, 2009 Comida italiana, Massas, Receitas Saudáveis Tags:, , , , 5 Comentários

Inspirado em receita de Claude Troisgros, no programa Menu Confiança, no GNT

Spaguetti à Caprese

Um dia desses eu estava vendo TV antes do almoço e o Claude começou a fazer essa receita de Spaguetti Caprese. Fui assistindo… e peraí! Eu tenho tudo o que precisa aqui em casa mesmo? Não deu outra. E sim, aqui em casa compramos grandes quantidades de tomates para fazer molho caseiro – você nunca mais vai querer comer o enlatado. Mas essa é uma outra receita.

200g de espaguete nº5
Muito sal
1 cebola, fatiada
4 dentes de alho
uns 10 tomates bem maduros (ou tomate pelado enlatado)
2 colheres sopa de azeitonas pretas fatiadas e sem caroço
1 maço de manjericão, só as folhas
100g de mussarela de búfala em bolas, fatiada
Parmesão ralado fresco
Azeite extra-virgem
Sal e pimenta do reino à gosto
Pão italiano, ou francês mesmo (para acompanhar)

dá pra 2 comerem

Prepare os tomates: descasque-os, corte-os, retire todas as sementes e todas as partes que não estiverem vermelhas (já que você vai fazer um molho vermelho…). Reserve-os, juntamente com o que escorrer de suco.

Aqueça o azeite, e frite um pouquinho a cebola fatiada. Junte o alho e mexa mais um pouco. Depois, acrescente as azeitonas e os tomates. Ajuste sal e pimenta do reino, e deixe refogar até começar a desmanchar. Acrescente o suco dos tomates, e continue o cozimento até começar a engrossar. Junte um punhado de folhas de manjericão. Deixe cozinhando e vá cuidar da massa.

Cozinhe o macarrão com muito sal e água, e um fio de óleo. Quando estiver al dente, transfira-o diretamente para a panela do molho. Traga junto uma concha da água do cozimento do macarrão – é a dica do Claude. Desligue o fogo, acrescente um punhado pequeno de parmesão ralado e misture bem, com cuidado para preservar tudo bonitinho.

Sirva o macarrão com o molho diretamente no prato, e distribua fatias de mussarela de búfala por cima. Mais um pouquinho de parmesão ralado, e decore com um raminho de manjericão. Essa massa fica ótima com um pãozinho francês recém-chegado da padaria. Daí a foto. Super-combina.

De onde vem o nome Caprese:

Diz-se que na região de Capri, na Itália, uma ilha ali pelos lados de Nápoles que sofreu uma deliciosa combinação de influências da culinária italiana e mediterrânea. Tradicionalmente, os pratos “caprese” tem como ponto de partida os tomates, a mozzarella (que na Itália é bem mais parecida com a nossa de búfala do que com a nossa amarela), e manjericão. Os demais ingredientes dessa receita aí vieram “no pacote” :-)

Boeuf Bourguignon (carne picada à francesa)

16 junho, 2009 Carnes, Comida francesa Tags:, , , 11 Comentários

Eu já tinha comido Boeuf Bourguignon num bistrô e com esse frio, deu vontade de comer algo parecido. É um prato bem tradicional na França, e exige algum planejamento (marinar sempre exige planejamento). Mas vale a pena. É um prato aconchegante, que conforta a gente mesmo. Essa versão é do site do Olivier Anquier, mas achei necessário fazer alguns ajustes, por isso a minha está bem diferente. O legal lá é que tem um vídeo, se você quiser ver realmente como ele faz.

boeuf bourguignon

150 g de lombo defumado ou bacon
1 kg de alcatra cortada em cubos grandes
2 cenouras descascadas e fatiadas
1 cebola grande, picada
1 garrafa de vinho tinto seco
Ramos de alecrim e tomilho
1 folha de louro
1 talo de alho poró
1 talo de salsão
1 cabeça de alho, inteira
500g mini-cebolas (echalotes pequenas)
2 potinhos de champignons(pode usar cogumelos de Paris, se você tiver a verba)
2 tabletes de caldo de carne
1 colher sopa de cebola desidratada ou de tempero de cebola
40 g de manteiga
Açúcar, sal, pimenta e óleo a gosto

rende 8 porções

A primeira parte do Boeuf Bourguignon se faz no dia anterior. Pique a alcatra, salsão, cebola, cenouras, alho-poró, e coloque numa vasilha. Coloque também a folha de louro, os ramos de alecrim e tomilho inteiros, e a cabeça de alho, cortando somente a parte de baixo, como se desse uma rasteira no alho com a faca. Cubra tudo com o vinho tinto, e deixe marinar por pelo menos 12 horas.

Separe a carne do resto da marinada (eu sei, dá trabalho), e seque-a bem, com papel toalha. Aqueça um pouco de azeite e frite-a por alguns minutos, enquanto o resto da marinada vai para o fogo numa panela grande. Não precisa temperar a carne. Junte a carne de volta à marinada, acrescente 1 litro de água, os cubos de caldo de carne e de cebola e deixe cozinhar por pelo menos 2 horas (é isso mesmo, 2 horas, até a carne começar a desmanchar e o caldo reduzir bastante).

Quando estiver nos últimos minutos desse cozimento, prepare o resto do prato: coloque o bacon em cubos para fritar na panela quente (não precisa por óleo). Quando estiverem bem fritos, acrescente-os à marinada. A seguir, jogue um pouco de manteiga nessa frigideira, e os champignons, fatiados. Quando fritarem, acrescente ao cozido.

Em outra frigideira, aqueça mais manteiga, com uma colher de óleo. Coloque as mini-cebolas descascadas e inteiras. Deixe-as dourar um pouco, e acrescente 100ml de água e 2 colheres de açúcar, que vão dar um tom adocicado sensacional. Quando a água caramelizar, desligue o fogo, e junte as cebolas ao cozido, que já deverá estar no ponto a essa altura do campeonato. Experimente, e ajuste o sal e pimenta do reino a gosto.

Agora é só retirar a casca daquela cabeça de alho, e os ramos inteiros (se tiverem ficado inteiros), para não assustar o pessoal que tem frescura, e servir. Fundamental para acompanhar: arroz branco e purê de batatas. Bon apetit!

 

Saiba mais sobre boeuf bourguignon

Esse prato francês é original da região da borgonha – aliás, a recomendação é que se use um vinho dessa mesma região para a marinada. É verdade que os acompanhamentos variam bastante, e você também está livre para alterar como preferir. Saiba mais aqui (em francês).

Inspirado em receita do Olivier Anquier

Costelinha de porco ao molho de goiabada

20 maio, 2009 Carnes, Comida mineira Tags:, , , , , , , 8 Comentários

Baseado em receita do programa Menu Confiança, no GNT
Costelinha de porco ao molho de goiabada
Comi junto com farofa de maçã verde, angu e ora-pro-nóbis e salada tropical

O Bar do Doca fez uma versão para concorrer no Comida di Buteco (eu comi). O Claude Troigros fez no menu confiança. Estava demorando para eu tentar fazer também. E realmente, depois de escolher uma bela peça de costela, vários acompanhamentos bem mineiros e uma boa pinga, o banquete de dia das mães foi um sucesso: todos indo dormir meia hora depois.

1 peça de costela de +-1,5kg , picada
400g de goiabada (sem ser cascão)
2 dentes de alho
1/2 dedo de gengibre
1 colher sopa de alecrim
300ml de ketchup
Sal e pimenta do reino
Pimenta biquinho para decorar
1 folha de couve grande, para decorar
1 colher sopa de salsinha picada, para decorar

dá pra 6 pessoas

Primeiro o que vem primeiro: coloque as costelinhas numa panela de água fria com 2 colheres de sopa de sal e uma pitada de alecrim, e leve ao fogo. Assim que a água ferver, retire a panela, e escorra as costelas. Deixe esfriar, e seque-as.

Enquanto elas fervem, faça o molho de goiabada: derreta a goiabada em 2 colheres de água, acrescente o alho e o gegibre picados bem finos, e adicione o ketchup. Deixe ferver. Coloque sal e pimenta a gosto, retire do fogo. Passe o molho por uma peneira, para separar o alho e o gengibre.

Melhor que pincelar as costeletas com o molho, é por a mão na massa: derrame boa parte do molho sobre elas, e esfregue com as mãos, cada peça individualmente, para que o tempero entranhe. Cubra a travessa com papel alumínio e leve ao forno médio por 1h30, virando-as a cada 30 min.

Retire as costelas e avalie: elas já estão no ponto? Eu acredito que sim. Ela deve permanecer suculenta por dentro, mas bem cozida. Se deu certo, volte-as para o forno, desta vez sem papel alumínio, por mais 10 min, enquanto ajeita a mesa, os convidados etc. Deixe sobrar um pouco do molho, para servir à parte, para os mais gulosos.

Para decorar, eu forrei uma travessa com a folha de couve, coloquei as costelas, espalhei a pimenta biquinho em volta, reguei as costelas com metade do que sobrou do molho, e joguei folhas de salsinha rasgadas por cima. Show.

Farofa de maçã verde

20 maio, 2009 Acompanhamentos Tags:, , , 9 Comentários

Achei legal essa farofa de maçã verde do Claude. Eu já fiz com abacaxi, com banana… quem não gosta de uma boa farofinha? Vai bem com uma pá de coisas! No final da receita você encontra com o que eu combinei.

Farofa de maçã verde

2 colheres de manteiga
1 colher sopa de óleo
1 maçã verde
1 cebola
2 dentes de alho
300g farinha de mandioca, mais ou menos
Sal e pimenta a gosto
2 colheres sopa de salsinha (opcional)

rende 6 porções

Descasque a maçã, e corte-a em cubinhos. Pique bem a cebola, e o alho – pode ser no processador. Reserve.

Derreta a manteiga numa frigideira, com o óleo, que é para a manteiga não queimar.
Adicione os cubinhos de maçã, deixando fritar um pouco, e depois adicione o alho e a cebola. Depois que estiver tudo cozido e cheiroso, vá adicionando farinha de mandioca e mexendo até que a farofa chegue no ponto que você gosta: mais molhadinha, mais sequinha… Finalize com um pouquinho de salsinha picada bem fina, se quiser. Tempere com sal e pimenta a gosto.

Sirva numa travessa rasa. Coloque um pouco na boca, e tente dizer: “viva o Afonso!” durante o seu almoço de domingo.

Comi a farofa de maçã verde junto com costelinha ao molho de goiabada, angu e ora-pro-nóbis e salada tropical

Baseado em receita do programa Menu Confiança, no GNT

Salada tropical

20 maio, 2009 Receitas Saudáveis, Saladas Tags:, 0 Comentários

Salada tropical
Comi junto com costelinha ao molho de goiabada, farofa de maçã verde e angu e ora-pro-nóbis

Uma salada bem brasileira, digamos. Exceto pela alface americana.

1/2 manga madura
200g de mussarela, em peça
1 alface americana
1 cenoura grande
3 tomates
1 kiwi (opcional)

rende 6 porções

Rasgue as folhas de alface, e rale a cenoura. Para os tomates, o legal é cortá-los em 8, de cima para baixo, ao invés de rodelas. Separe metade do queijo, e corte em cubinhos. Misture esses ingredientes na vasilha que for servir. Por cima, disponha alternadamente fatias compridas de manga e de queijo, e decore com fatias de kiwi. Não é fácil?

Switch to desktop version