Tagliatelle caseiro

3 fevereiro, 2010 Comida italiana, Massas Tags:, , , 4 Comentários

Oba oba, é a primeira vez que faço uma massa caseira! Ganhei um belo kit de pasta e finalmente o estreei. Fazer a massa foi mais fácil do que eu pensava; cozinhá-la foi ridículamente fácil, mas esticá-la foi bem complicado, já que meu kit não incluía aquela maquininha e sim um rolinho manual – que acabou sendo bem divertido também. Pela foto dá pra ver que a primeira vez não é aquela beleza, né… mas com a prática acho que eu melhoro.

300g de farinha de trigo (tipo 00 se você puder bancar)
3 ovos caipiras (pode ser normal, mas com o caipira ficou tão bonitinho)
2 latas de tomates pelados
1 ramo de alecrim
1 ramo de manjericão
1 ramo de tomilho
1/2 cebola
2 dentes de alho
Azeite extra-virgem
Sal e pimenta do reino


rende 4 porções

Faça um montinho de farinha, escave um buraco no centro, e quebre ali os ovos. Hora de por a mão na massa! Vá misturando, e no começo gruda mesmo mas depois sai! Vá socando a massa, abrindo e fechando, apertando, socando, enfim, se divertindo, por uns 10 minutos. Isso é o que eles chamam de “trabalhar o glúten”. Vá colocando mais farinha conforme necessário, até que você sinta que ela ficou suave, lisinha. Depois, enrole-a totalmente num filme pvc e deixe descansar na geladeira por 20 minutos.

Enquanto isso, faça esse molho básico, assim: alho e cebola picadinhos refogados no azeite, depois acrescente os tomates e o molho, esmague-os na panela, acerte o sal. Faça um buquê com os ramos de alecrim, tomilho e manjericão, e os coloque afundados dentro do molho, cozinhando. Retire após uns 20 minutos e é só servir.

Voltando à massa: passados os 20 minutos, espalhe farinha de trigo pela sua mesa (e recomendo: tire tudo o que tiver de cima dessa mesa, você vai precisar de todo o espaço). Vá esticando a massa, tentando chegar a uma espessura bem fina, e sempre adicionando mais farinha de trigo conforme ela estica, para mantê-la firme e sem grudar. Vá virando-a de lado e esticando mais. Ao final, uma bela mão de farinha de trigo, e dobre-a em 4 ou em 8, para depois cortar em tiras, que vão dar origem à pasta. Corte as tiras com espessura de 1cm e acho que já conta como tagliatelle ou fettucine – ainda não soube dizer qual a diferença… alguém?

Pasta caseira não demora nada para cozinhar – a hora que ela cai na água fervendo, já está quase pronta. Algo como 2 minutos e você já pode retirá-la, conservando um pouquinho da água, misturando-a com o molho vermelho. Finalize com parmesão ralado, se for a sua praia… e já é!

Penne picante

22 janeiro, 2010 Massas Tags:, , , , , 4 Comentários

Penne picante

Um dia à toa desses qualquer, decidi fazer uma massa diferente. Mas não queria sair de casa. Fiz com o que eu tinha, e diria que na minha despensa não tinha nada em especial. Então #ficadica, não é difícil ser feliz… não se renda ao arroz com feijão requentado no microondas! Fight the powers that be!

250g de penne grano duro
2 dentes de alho

1/2 cebola, bem picada
100g de bacon

1 lata (400g) de tomate pelado
Sal e pimenta do reino
Queijo parmesão ralado fresco
Pimenta calabresa à gosto
Folhas de manjericão
100g de queijo minas padrão ou queijo canastra
Uma pitada de orégano
Azeite extra-virgem

Rende 2 porções

Jogue o bacon em cubinhos na panela onde será feito o molho, já bem quente. Ele soltará a gordura necessária para fritar o alho e a cebola, também bem picadinhos. Quando estiver tudo dourado, acrescente os tomates, uma pitadinha de orégano, e um pequeno maço de manjericão. Deixe ferver. Enquanto isso, cozinhe o macarrão em uma água salgada.

Depois que o molho der uma encorpadinha, descarte o maço de manjericão (ou pelo menos os cabinhos), e desligue o fogo. Ajuste sal, pimenta do reino e adicione a pimenta calabresa à gosto (eu gostcho muitcho!). Escorra o macarrão e incorpore-o ao molho. Misture bem. Corte o queijo em cubinhos, e o acrescente um pouquinho antes de servir. Decore com mais umas folhinhas de manjericão, e pronto!

Batata da Cora

7 janeiro, 2010 Acompanhamentos, Comida mineira, Muito fácil Tags:, , , 2 Comentários

Comi junto com Tropeiro rico do Jota

Nada melhor que uma batata corada para acompanhar uma comida mineira. E a dona Cora faz essa batata como ninguém. Eu bem que tentei aprender… espero que você também tente. A graça é justamente ela ficar com gosto de frita por fora, mas com o sabor de cozida por dentro. Ou seja, saudável em pele de gorda. Eu acho.

500g de batatas médias e do mesmo tamanho
4 colheres sopa de farinha de trigo
Óleo para fritar
Sal

Rende 4 porções

Detalhe: as batatas têm que ser médias, ou seja, elas vão cozinhar todas por igual, e, quando cortadas em 4, vão caber na boca de uma vez só.

Cozinhe-as na água com um punhado de sal. Retire-as quando o garfo puder penetrar uma delas com facilidade, mas não deixe cozinhar demais, senão elas desmancham na hora de fritar.

Descasque-as ainda quentes, e seque-as com papel toalha. Pique-as ao meio, e depois ao meio de novo. Você quer elas grandes, mas que caibam na boca. Espalhe a farinha de trigo num prato, role-as por lá com carinho, cobrindo-as completamente.

Aqueça o óleo bastante. Você vai saber que está quente o suficiente quando colocar uma batata e ela ficar imediatamente coberta de “borbolhas” de óleo.

Frite as batatas até ficarem coradas… afinal não era esse o nome do prato? Retire-as com carinho, coloque-as no papel toalha e seque novamente. Pitadas generosas de sal por cima, e pronto! Ela vai ficar crocante por fora, e macia por dentro. Cora ficaria orgulhosa.

Risoto de tomate, ricota e manjericão

5 janeiro, 2010 Comida italiana Tags:, , , , , 1 Comentário

Não custa lembrar, se você é marinheiro de primeira viagem no navio dos risotos, leia antes esta outra receita, que é mais detalhada. Para fazer esse risoto de tomate, escolha tomatinhos bem vermelhinhos, e uma ricota bem firme, sem ser daquelas aguadas, para dar o efeito bacana. O resultado é um risoto suave, que não pesa na barriga, mas com uma pimenta que sai do óbvio “gostinho de comida da mamãe” que você espera com tomate e manjericão.

1 cebola bem picada
1 talo de salsão, picado
2 dentes de alho, picados
200g de arroz arbóreo ou carnaroli
1 tablete de caldo de legumes
100ml de vermouth ou vinho branco
50g de parmesão ralado fresco
1 colher de sopa de manteiga
100g de queijo ricota
20 tomates cereja
1 maço de manjericão
Pimenta calabresa em pó ou flocos
Orégano
Azeite extra-virgem
Sal e pimenta do reino

dá pra 4 comerem

Pré-prepare: coloque os tomatinhos para nadar no vinagre, com azeite, sal e pimenta, e deixe-os marinar por meia hora (ou até chegar a hora de colocá-los no risoto). Pique a ricota em cubos, esfregue a pimenta e o orégano neles e leve para assar por 10-15 minutos, no forno a 180º. Enquanto isso…

Faça a receita do risoto normal, adicionando metade dos tomates marinados junto com a primeira água do caldo de legumes. A diferença é que voce quer um risoto um pouco mais molhado dessa vez, então seja generoso com o caldo. Desligue o fogo, adicione a manteiga e o parmesão fresco, misture bem, e em seguida o restante dos tomates, a ricota (que deve estar bem dourada e saborosa), e um punhado de folhas de manjericão. Deixe descansar por uns 10 minutos, para os ingredientes se acalmarem. Sirva com mais manjericão, e mais parmesão. Há quem goste de separar uns tomatinhos da marinada para colocar só agora no final… fica a dica.

Curtiu essa receita de Risoto de tomate?

Então vai dar uma olhada nas outras receitas de risoto aqui do blog também! Sente só o risoto de abóbora com carne-seca, o de limão siciliano e o de brie com pera.

Inspirado em receita do livro Cook with Jamie

Spaghetti alho e óleo

17 dezembro, 2009 Massas Tags:, , , , , , 4 Comentários

spaghetti alho e oleo

Alho e óleo seria uma das maneiras mais básicas que alguém poderia cozinhar spaghetti. Fácil? Eu não acho. Depois que você faz muitas vezes, começa a ficar realmente exigente com o resultado. Como os ingredientes são poucos, é muito fácil perder o equilíbrio entre eles. Ou melhor, difícil encontrá-lo.

250g de spaguetti nº 5
4 dentes de alho

1 punhado de salsinha
bem picada
Sal e pimenta do reino
Azeite extra-virgem

Rende 2 porções

Primeiro segredo: cozinhe o macarrão em uma água super salgada, tipo uma água do mar. E com um fio de azeite. Isso vai dar uma graça ao prato. Enquanto isso…

Fatie o alho em lâminas finas. E agora o maior segredo (aquele que nem eu mesmo desvendei): aqueça um pouco de azeite numa frigideira, sem deixar estalar, e frite o alho. Ele tem que ficar dourado, mas não pode tostar, nem cozinhar demais por dentro, senão amarga. Nas palavras de MC Hammer, It’s tricky.

Mais uma dica: não escorra o macarrão. Quando o spaghetti estiver al dente (uma definição de al dente: precisa usar os dentes para comer), retire-o direto da água para uma vasilha, e adicione uma concha dessa água a ele. Azeite pouco é bobagem para esse prato… seja generoso. Acrescente o alho, a salsinha bem picada, e ajuste sal e pimenta-do-reino à gosto. Misture gentilmente, e está pronto. Agora eu quero ver se ficou bom.

Torta de bis

10 dezembro, 2009 Sobremesas Tags:, , , 16 Comentários

Aqui em casa vivem comprando caixas e caixas de bis para colocar numa vasilha de vidro e oferecer às visitas. Decidi roubar uma caixa e fazer uma surpresinha: Torta de bis. É verdade que ficou super doce, mesmo eu colocando pouco açúcar. Mas pra falar a verdade, foi bom ficar enjoativo, porque durou mais. É legal usar uma forma redonda de 25-30cm. Ela vai ficar bem baixinha, mas, se ficasse uma torta alta, a fatia seria grande demais para qualquer formiguinha doceira. A minha montagem da torta não ficou boa, nem a foto, mas garanto que não sobrou.

torta de bis

2 caixas de chocolate bis tradicional bem picada
2 colheres sopa de manteiga
1 lata de leite condensado
2 latas de leite integral (use a lata do leite condensado para medir)
2 colheres sopa de maizena
1 gema de ovo
200g de chocolate meio amargo
1 lata de creme de leite
2 claras em neve

rende 8 fatias para uma forma de 25cm

Num processador, transforme 25 dos seus 40 BIS disponíveis em uma farofa (pode usar um pilão ou liquidificador se for o caso). Adicione uma colher de manteiga derretida, 1 colher de água e misture bem. Use essa massa para forrar a sua forma (previamente untada, claro).

Para o creme, leve o leite ao fogo, misturando aos poucos a maizena, com cuidado para não empelotar. Acrescente o leite condensado, a gema e mais uma colher de manteiga, mexendo sempre. Quando começar a engrossar, desligue o fogo, e deixe esfriar um pouco. Despeje tudo sobre a massa da forma, e leve à geladeira enquanto faz o resto.

Quebre o chocolate e leve-o ao banho-maria. Bata as duas claras em neve, até ficarem firmes. Acrescente o creme de leite ao chocolate, misture bem, e junte as claras em neve em seguida, mexendo com delicadeza, pois você quer uma mousse, então preserve o ar formado com a clara.

Agora é colocar a mousse por cima do creme branco, que já deve ter esfriado e ficado um pouco mais firme, e cortar os 15 BIS restantes da maneira como você quiser, deixando-os fincados na mousse por cima, ou como a sua criatividade mandar. Leve a torta de bis à geladeira, e espere pelas 4 horas mais longas da sua vida.

Inovando na apresentação da torta de bis

Dá pra inventar um pouco mais de moda e dobrar a receita, e quadruplicar os bis dessa torta. Daí, você coloca esses bis em volta da forma – no meu caso eu acabei cortando eles no meio porque não tinha bis suficiente, mas você certamente vai se planejar melhor que eu, né? Dá uma olhada na maravilha que fica:

torta de bis montada

Inspirado em receita do site do Mais Você

Buffalo Wings – receita de asa de frango picante

14 outubro, 2009 Comida americana Tags:, , , , , , , , , , 4 Comentários

Assim como eu na primeira vez, você deve estar se perguntando “búfalo tem asa?” ou algo do tipo. Explico: Buffalo Wings são cortes da asa do frango fritos à moda da cidade de Buffalo, nos EUA. O que explica serem fritos, e serem ultra-calóricos. A pimenta é essencial neste prato: faz parte do charme passar um pouco de calor.

Buffalo Wings

1kg de coxinha de asa de frango
1 colher de sopa de vinagre de vinho branco
200ml de leite
1/2 cebola, bem picadinha
1 dente de alho
1 colher sopa de salsinha, bem picadinha
4 colheres de sopa de maionese
suco de 1/2 limão
100g blue cheese (usei gorgonzola mesmo)
Sal e pimenta do reino
Alguns talos de salsão e cenouras
1/2 colher de café de pimenta cayenne
Molho de pimenta (Tabasco ou similar)
2 colheres sopa de manteiga
Óleo para fritar

Rende para 4 pessoas petiscarem

Misture o vinagre com o leite, bata um pouco e deixe que o leite azede. Adicione a cebola e alho bem picadinhos, a maionese, o queijo (esfarele-o bem, com a mão mesmo), o suco de limão. Cuidado ao adicionar a pimenta cayenne! Não a subestime. Ajuste o sal e pimenta, e vá ajustando a proporção de ingredientes até ter uma pasta com a consistência um pouquinho mais solta que maionese. Misture bem. Coloque na geladeira até o momento de servir.

Pique os talos de salsão como baquetas de bateria, e coloque de molho na água, para aliviar o ardido. Descasque a cenoura e pique em palitinhos como de batata frita. É muito importante picar salsão e cenoura da maneira correta, pois isso vai determinar a maneira de comer mais pra frente.

Esfregue um pouco de sal e pimenta nas asinhas, e umas gotas de limão, só para dar gosto. Aqueça uma boa quantidade de óleo numa panela funda. Mergulhe as asinhas completamente no óleo, e deixe que fritem até ficarem um dourado escuro. Lembrando que Buffalo Wings é fritura na veia, meu povo! Enquanto isso, derreta a manteiga numa frigideira, com uma quantidade à gosto de tabasco (recomendo 2 colheres de sopa para a receita inteira). Como eu disse, eu curto o calor da pimenta, mas tem gente que não, né?

Retire as coxinhas e role-as na frigideira de manteiga e tabasco por alguns minutos. Depois é só secar tudo bem, com papel toalha. Se você quiser, pode levá-las ao forno alguns minutos também, tem gente que diz que fica mais saudável. Para mim, se você entrou nessa de comida americana, querer saudável é paradoxal.

Como servir buffalo wings

Sirva o molho (também chamado de dip) com os petiscos em volta. Vá comendo um salsão e uma cenoura aqui e ali, se você é uma pessoa paradoxal. Ele pode ser a entrada de um prato mais pesado, como uma costeleta de porco ao molho barbecue. Fica a seu critério ser médio feliz, ou muito feliz.

Switch to desktop version